sindalquim

Só com mobilização vamos conseguir avançar nas negociações, afirma presidente do Sindalquim

Presidente do Sindalquim, João Pedro Alves Filho, comanda as duas grandes negociações coletivas do primeiro semestre, do setor farmacêutico e do etanol, e falou que se o trabalhador não se mobilizar ao lado do Sindicato vai ser complicado conseguir manter direitos e avançar nos pedidos de aumentos salariais

O presidente do Sindalquim, João Pedro Alves Filho, acompanhado de vários dirigentes da entidade, participou nesta quinta-feira (13) e sexta-feira (14) da elaboração da pré-pauta de reivindicações e estratégias para a negociação coletiva do setor industrial farmacêutico e do setor do etanol. Dirigentes da Fequimfar e dos Sindicatos filiados estiveram reunidos nos seminários de negociação coletiva, na cidade de Praia Grande. Ele falou que neste ano a participação do trabalhador será imprescindível para o sucesso das negociações com o setor patronal.

“No setor farmacêutico, vamos lutar para manter a redação das cláusulas sociais. Sabemos que o anseio do patronato é o de voltar para as 44 horas semanais, tirar a licença maternidade, entre outras retiradas de direitos. É o pacote de maldade deles. Por exemplo, no Paraná, os patrões já pediram para retirar 30 cláusulas sociais. Na terça-feira, dia 18, vamos começar a fazer as assembleias nas empresas da região. Esperamos contar com todos os trabalhadores. Com um número alto de assinaturas, vamos mostrar ao patronato a nossa força. O nosso setor é forte e muito importante para a sociedade. Precisa ser respeitado. Produzimos remédios, produtos importantes e essenciais para a comunidade. Então, os trabalhadores precisam ser remunerados adequadamente”.

João Pedro falou também sobre a montagem da pauta do setor do etanol. Para ele, o momento é de avançar. “No ano passado fechamos com oito empresas pela inflação e sete fecharam abaixo. Precisamos de mais mobilização. Houve achatamento do salário no ano passado. Não podemos perder mais. É necessário avançar. E se os patrões ficarem insistindo na carteira verde e amarela muitos trabalhadores vão ficar sem emprego. Na nossa região somente três empresas estão fora da carteira verde e amarela, o resto pode implantar. Mas cabe a nós mostrarmos força e não permitir. É importante todos saberem que se os patrões implantarem uma maldade dessas, todos os trabalhadores vão ganhar menos no salário, vão perder a verba indenizatória, entre outros benefícios. Precisamos que todos participem das assembleias e se mobilizem. Somente com mobilização vamos avançar”. As assembleias nas usinas e destilarias da região começam no dia 26 deste mês e se estendem até o dia 5 de março.

Entre os destaques da pré-pauta do setor farmacêutico está o pedido de reajuste salarial do INPC do período + 3% de aumento real, piso salarial (salário normativo) de R$ 2.178,00, PLR no valor de 2 Salários Normativos e cartão alimentação/cesta básica de R$ 459,00. Até o dia 5 de março, os Sindicatos filiados realizarão assembleias nas bases para avaliação e aprovação da pré-pauta pelos trabalhadores. Em 6 de março, haverá uma grande assembleia na sede da FEQUIMFAR, em São Paulo SP, para considerações finais sobre a Pauta de Reivindicações que, se aprovada, será entregue no mesmo dia aos representantes do setor patronal do SINDUSFARMA.

Na pré-pauta de reivindicações do setor do etanol consta o pedido de reajuste de 2% de aumento real + INPC/IBGE do período, piso (salário normativo): R$ 1.793,33, piso para técnico químico: R$ R$ 3.362,25 e PLR de 2 salários normativos.

Agora, os Sindicatos filiados realizarão assembleias nas bases para avaliação e aprovação da pré-pauta pelos trabalhadores até o dia 5 de março. Em 6 de março, haverá uma grande assembleia na sede da FEQUIMFAR, em São Paulo SP, para considerações finais sobre a Pauta de Reivindicações que, se aprovada, será entregue no mesmo dia aos representantes do setor patronal da UNICA.

Deixe um comentário